Lua da noite passada

Noite passada a lua me visitou.

Ela veio sozinha e de madrugada.

Ela entrou silenciosamente pelas grandes janelas do meu quarto

inundando o espaço com sua luz branca pálida.

Das profundezas do sonho

Eu senti sua presença em meu rosto e pálpebras.

Me ligou para conhecer.

Eu segui a chamada.

A reunião ocorreu

e acordei do sonho.

Eu abri meus olhos e vi sua cabeça.

Um brilho intenso sacudiu minha medula

e me transportou para o mundo

do olho que nunca dorme.

Vigília e sono, o mesmo devaneio.

Foi apenas um breve segundo,

um segundo eterno

em que a eternidade efêmera dos instantes

quem estava presente, mas eles já se foram

cobriu tudo.

Depois de, Eu voltei a dormir.

Esta manhã, ao acordar,

Eu me lembrei do encontro noturno

Y, fazendo isso,

o olho que nunca dorme ainda está acordado.

Um caminho se abre

entre o sono acordado e o sono acordado.

Seu,

Janeiro, 2021

Compartilhar isso:

Deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado.

16 − 15 =